Panorama energético para o mundo até 2035

O relatório “World Energy Outlook”, da Agência Internacional de Energia, traz perspectivas interessantes sobre o futuro da energia mundial até 2035. O cenário central assume que os compromissos políticos na área serão implementados, ainda que cautelosamente.

Diante  do aumento de 1,7 bilhão de pessoas da população mundial e do crescimento de 3,5% ao ano, seriam necessários investimentos em transporte de energia da ordem de US$ 38 bilhões. Ao mesmo tempo, países não membros da OCDE seriam responsáveis por 90% do acréscimo de demanda de energia, com a China assumindo papel proeminente.

Quanto ao petróleo, ainda que uma moderação das pressões no curto prazo seja esperada, deve atingir US$ 120 por barril (a preços de 2010) em 2035, com volatilidade elevada. O aumento da demanda advirá das maiores necessidades de transporte nas economias emergentes (pela maior mobilidade de pessoas e de mercadorias, fruto do crescimento econômico). Também o custo do petróleo tende a aumentar, conforme se recorre a fontes de mais difícil acesso e mais onerosas.

Para o gás natural, as perspectivas são muito melhores. O consumo atingirá praticamente o nível do carvão, sendo 80% do adicional de demanda oriundo de países em desenvolvimento. A busca pela diversificação das fontes de combustíveis sustentará uma expansão considerável do gás na China, ao mesmo tempo em que duplica o comércio global do combustível.

A participação das fontes de energia renováveis tende a passar de 3% em 2009 para 15% em 2035 -mesmo que necessitem de pesados subsídios na fase de implantação, seus benefícios a longo prazo tendem a compensar os custos. Ao mesmo tempo, geram a necessidade de pesados investimentos em transmissão de energia.

Já o carvão, que atendeu praticamente metade do aumento mundial de demanda energética da última década, se mantidas as políticas atuais, representaria 65% da matriz energética em 2035, superando, inclusive, o petróleo. No cenário central, o consumo continuaria aumentando rapidamente na próxima década, estagnando posteriormente, encerrando 2035 apenas 25% acima dos níveis de 2009.

Como a China representa praticamente metade da procura mundial do combustível, a implementação do pia no quinquenal para reduzir as emissões de carbono será fundamental para esse mercado.

Em suma, a procura por novas e mais limpas fontes de energia deve continuar ocorrendo nos próximos anos. Entretanto, a dependência das conhecidas fontes não renováveis continuará elevada.

Informação de: Folha de São Paulo

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Investimento, Políticas Públicas e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s