Etanol de segunda geração mais perto de se tornar realidade

O etanol de segunda geração , produzido a partir da celulose encontrada no bagaço e na palha de cana, tem potencial de aumentar em até 40% a produção total deste combustível sem que seja necessário aumentar a área de plantio de cana.

Apesar desses subprodutos do processamento da cana ainda serem usados para cogeração de energia elétrica, essa, com certeza, não é a forma mais eficiênte de aproveitar a energia contida nesses resíduos. A cana é a matéria-prima mais eficiente para produzir etanol. Ainda assim, apenas um terço de seu potencial energético é aproveitado.

Segundo Alfred Szwarc, consultor da Unica (União da Indústria da Cana-de-açúcar) o potencial dos subprodutos vai bem além dos 40%, para ele, seria possível dobrar o produção do combustível em uma mesma área agrícola.

Não existe realmente um consenso em torno dos números, mas otimistas e conservadores concordam que o potencial é grande. Por isso, há anos teve início uma corrida mundial no campo das pesquisas para obtenção de uma fórmula eficiente e viável economicamente para a produção do etanol de segunda geração.

No Brasil, o foco das pesquisas se concentra no processo de hidrólise enzimática, que já se aproxima da viabilidade econômica. A Novozymes, empresa dinamarquesa que investe no desenvolvimento dessas enzimas há 11 anos, promete apresentar ao mercado em 2012 uma nova enzima a custos viáveis.

Pesquisadores da Embrapa, da Coppe/UFRJ e de outras universidades apoiadas pela Fapesp também se dedicam a pesquisas sobre o processo de hidrólise. Processo esse que consiste em desestruturar o tecido vegetal e adicionar enzimas que transformam a celulose em açúcares usados para produzir o etanol.

Já o IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) testa produzir gás a partir da queima da biomassa, submetida a alta temperatura e baixo teor de oxigênio. O gás produzido a partir da combustão pode ser usado diretamente em turbinas ou transformado em combustíveis, como o etanol, após passar por um novo processo químico.

Informação de: Jornal Cana

Anúncios
Esse post foi publicado em Biomassa e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s